segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Sistema de Cotas!

Neste fim de semana, tomando uma cerveja num boteco, caiu na mesa a conversa sobre cotas raciais nas universidades públicas, um dos que estavam na roda defendia o sistema com unhas e dentes, mas ele é um cara branco, de olhos azuis e nunca colocou os pés numa escola pública, se formou numa universidade particular onde hoje faz pós-graduação.

O sistema de cotas para negros é o que reserva 20% das vagas de todos os cursos para candidatos negros. Na época da criação do sistema e até hoje, muito se ouve falar sobre inclusão racial em um país como o nosso, regido por um sistema capitalista que possui uma das piores distribuições de renda do mundo, formado por uma massa de renda muito baixa.

Porém, mais de 4 anos depois da implantação do sistema, este se mostrou falho e ineficaz em vários aspectos. Primeiramente o método de classificação do candidato em negro ou não. Depois de um episódio em que dois irmãos gêmeos tiveram classificações distintas (um branco e um negro) o governo resolveu alterar o critério de classificação. Antes, o candidato ao sistema de cotas era fotografado e uma banca examinadora avaliava se ele era ou não negro.

Isso é humilhação, o cara ter que comprovar quem é para justificar a sua entrada na universidade, o direito a educação pública e gratuita é constitucional para todos os cidadãos.

Em segundo lugar, a criação das cotas pode gerar uma exclusão ainda maior para aqueles que não tiveram condições de freqüentar uma boa escola e tem a pele clara. Acredito que a manutenção das cotas é defendida, inclusive com a manifestação de especialistas favoravelmente ao sistema. Mas podemos notar que a tão sonhada inclusão passa muito longe de ser alcançada com o modelo vigente, porque mais da metade dos que entram na universidade através do sistema de cotas, pára de freqüentar as aulas antes do final do primeiro ano, isso acontece na maioria das vezes porque o estudante não tem condições de chegar até a universidade, isso mesmo, a maioria não tem dinheiro para o busão.

Eu não sou contra o sistema de cotas, alias, sou favorável, porém com uma modificação bem clara e definida:

80% das vagas das universidades públicas serão destinadas aos estudantes que fizerem todo o segundo grau em escolas públicas, independente da cor da pele, do credo religioso ou da classe social e os 20% restantes para os alunos das escolas particulares.

Essa medita colocaria os com maior poder aquisitivo num sistema de cotas e para evitar esse sistema iriam migrar para escola pública, sendo assim, o filho da elite burguesa na escola estadual iria forçar uma melhoria na qualidade da educação pública no país.

Por isso faço aqui minha proposta para o sistema de cotas: 20% das vagas para alunos de escolas particulares já.

2 comentários:

Johnny Berry disse...

cara,
eu sou a favor de cotas para o ensino básico e fundamental... é... o antigo primário, ginásio e 2º grau. Ai sim teremos igualdade fraternidade e humanidade nessa porra de sociedade... Mas as cotas são para professores (cara, como essa palavra se tornou banal hoje em dia)... Ok, teremos cotas para professores que se entendam como professores, como educadores, como formadores de seres humanos... Ai sim as cotas terão medidas curativas e não apenas paliativas. Porra cara, eu não quero estudar meu!!!! Eu quero aprender o que nasci pra aprender... Quero saber sobre o desejo mais profundo de minha alma e não sobre conceitos babacas que só servem pra vc pendurar na parede, saca?... Por isso defendo as cotas para "professores verdadeiros" do ensino básico e fundamental... Por ai, poderiamos começar a pensar em resolver alguma diferença social.

Robson disse...

Grande Johnny Berry... é isso aí mano, sem palavras!

Ş