terça-feira, 5 de maio de 2009

Não quero andar sempre pelos mesmos caminhos
Quero traçar caminhos novos
Quero andar em ruas estreitas
Mas sem perder o sonho de projetar largas avenidas
Quero poder voar em outros céus
Mergulhar em outros mares
Não quero guardar nenhuma mágoa
Sempre que preciso, vou sim pedir perdão
Quero chorar sempre que for possível
Mas quando a lágrima se recusar a cair
Quero pelo menos, usar de todo o meu silêncio
Não quero cantar sempre as mesmas canções
Quero poder cantar tudo todos os dias
E quando não tiver nada para cantar
Quero poder inventar minhas próprias melodias
Não quero estar sempre certo
Quero poder ter o direito de errar
E em cada erro construir um novo caminho
Quero todo o afago e todo o carinho
Não quero acreditar em tudo o que vejo
Sempre que possível quero banho de rio
Sempre que possível quero me queimar de ácido
Quero poder duvidar do que ouço
Quero poder escolher melhor o que falo
Quero poder me perder em algum lugar estranho
Quero poder mudar minha mente
Quero ouvir a voz de um velho amigo
Quero que a mulher que eu amo
Saiba que pode sempre contar comigo
Posso não saber muito bem o que eu quero
Mas sei muito bem tudo o que sinto.

1 comentários:

Johnny Berry disse...

o bem amargo tem andado um tanto doce ultimamente....
por que????

Ş